Carregando...
 
Este documento é um modelo que pode ser usado e adaptado para solicitação de bicicletário. Quanto mais o texto circular, mais gente vai ficar sabendo da lei e mais bicicletários serão instalados.

Contribuição original: Lindóia

Adaptado, revisto e ampliado por Marcelo Mig e Willian Cruz.



SOLICITAÇÃO DE BICICLETÁRIO


1. Proposta deste comunicado

Alertar para a importância do cumprimento da Lei Municipal nº 14.266/07, e esclarecer sobre o ganho de imagem que o estabelecimento ou condomínio terá ao atender bem os ciclistas, mostrando que a instalação de estacionamento para bicicletas é simples, não requer grandes investimentos e minimiza riscos de imagem e de problemas com a fiscalização municipal. Além disso, passa algumas dicas sobre como implementar adequadamente um bicicletário.

2. O problema

A falta de locais apropriados e seguros para o estacionamento da bicicleta é um dos principais problemas para quem a utiliza como meio de transporte em São Paulo e um dos fatores limitadores para sua adoção em maior escala, impelindo as pessoas a continuarem usando cada vez mais o automóvel, o que piora continuamente a situação do trânsito na cidade.

Em boa parte dos casos, a falta de um bicicletário ocorre pelo desconhecimento de que a bicicleta é considerada um veículo pelo Código de Trânsito Brasileiro e de que seu uso é estimulado e defendido por políticas públicas e leis.

Apesar das dificuldades, dados de 2007 mostram que naquele ano mais de 300 mil pessoas já se deslocavam diariamente pela cidade de São Paulo usando bicicletas. E esse número só tem aumentado. São cada vez mais visitantes, colaboradores e clientes se deslocando com esse meio de transporte. Gente que merece ser tão bem atendida quanto quem chega com seu automóvel - e que não vai congestionar a entrada e saída do estacionamento ou as ruas ao redor, nem lotar um grande espaço com poucas dezenas de seus veículos, como ocorre com os carros.

3. O ganho de imagem

Receber bem os ciclistas é apresentar um diferencial verde e agregar esse valor à imagem da empresa. Esse diferencial pode ser explorado como iniciativa em prol da sustentabilidade, tão valorizada hoje em dia. Muitas empresas acrescentam a infraestrutura de apoio a visitantes, colaboradores e clientes ciclistas à lista de iniciativas de cunho social e/ou sustentável que praticam, tendo-a no mesmo patamar de outras como reciclagem de resíduos sólidos e políticas de economia de água e energia elétrica.

Cada vez mais empresas apostam no apoio ao ciclista como ação de baixo custo para fortalecer a imagem e diferenciá-los da concorrência, valorizando seus produtos, serviços e ações.

4. A legislação

São Paulo, apesar do atraso inescusável, já percebe o potencial da bicicleta como importante modal de transporte, estimulando e defendendo seu uso através de algumas leis. Entre elas:
  • A Lei Municipal nº 13.995/05, que estabelece a obrigatoriedade de estacionamentos para bicicletas em locais públicos de grande afluxo de pessoas, incluindo supermercados: http://www.nossasaopaulo.org.br/portal/files/Lei13995.pdf(external link)
  • A Lei Municipal nº 14.266/07, que criou o “Sistema Cicloviário do Município de São Paulo” e reafirma a obrigatoriedade de estacionamentos para bicicletas em locais de grande afluxo de pessoas, incluindo condomínios, e reconhece a bicicleta como “modo de transporte para as atividades do cotidiano”. http://www.nossasaopaulo.org.br/portal/files/Lei14266.pdf(external link)
5. Modelos de bicicletário

Existem vários modelos de bicicletário que podem ser adotados. As diretrizes de construção e instalação podem ser consultadas neste endereço: http://www.transporteativo.org.br/site/Banco/7manuais/guia_bicicletarios_apbp_v6.pdf(external link)

Deve-se dar preferência aos bicicletários em forma de “U” invertido ou similares, pois os tipos que prendem a roda dianteira ou traseira danificam os aros e componentes da bicicleta, podendo gerar reclamações e até pedidos de reparação de danos. Os bicicletários em forma de gancho são ainda piores, pois dificultam sua utilização por mulheres e pessoas com menor estatura ou força física, tornam bastante complicado trancar adequadamente a bicicleta e também oferecem risco de danos ao veículo.

Além disso, em muitas bicicletas as rodas podem ser retiradas sem uso de ferramentas. Por isso, ao contrário das motocicletas, prender uma bicicleta pela roda não é suficiente para manter o veículo travado.

Existem no exterior modelos automatizados de estacionamentos para bicicletas, mais modernos, compactos, seguros e agradáveis, embora demandando um investimento maior. Um exemplo é o que pode ser visto nesse vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=S4H2y-dZ_Tk(external link)

Os modelos em “U” invertido costumam resolver bem o problema, principalmente quando instalados em área interna ou sob supervisão.

6. O que é importante em um bicicletário

(i) Indispensável: localização próxima à entrada do estabelecimento e onde haja bom trânsito de pessoas, ou em estacionamento com acesso restrito, para garantir a segurança;

(ii) Indispensável: visibilidade, garantindo que o ciclista reconheça imediatamente o local apropriado para o estacionamento de seu veículo ou como chegar a ele, evitando que o deixe em local que atrapalhe o fluxo de pessoas ou de outros veículos;

(iii) Recomendável: acesso facilitado (alguns locais têm bicicletários no 2º ou 3º subsolo, o que dificulta o acesso e a saída já que a bicicleta depende de propulsão humana) e local arejado e coberto garantem comodidade ao ciclista e incentivam sua utilização;

(iv) Recomendável: uma bancada de apoio ou um banco próximo ao bicicletário, quando possível, é bastante útil para apoiar os pertences enquanto se retira o cadeado da bicicleta.

(v) Armários e vestiários aumentam em muito a utilização e a repercussão positiva do bicicletário junto a seus utilizadores, estimulando bastante a propaganda boca a boca sobre o estabelecimento.

7. Local indicado para instalação do estacionamento de bicicletas no seu estabelecimento

O local identificado como mais apropriado em seu estabelecimento, considerando facilidade de acesso, visibilidade, segurança e conforto para os ciclistas e os usuários é a área próxima ao __.

Nesse local a segurança é naturalmente reforçada pela presença constante de pessoas que passam próximo ao local.

O local é amplo e pode abrigar os veículos sem atrapalhar o fluxo de pedestres ou de outros veículos.

8. Responsabilidade social e sustentabilidade

O cumprimento espontâneo da Lei Municipal nº 14.266/07 é sinônimo de responsabilidade social, maturidade democrática e preocupação ambiental.

A promoção do bem estar coletivo e da qualidade de vida, o incentivo à mudança de paradigma em relação aos meios de transporte disponíveis na cidade e a contribuição para minimizar os efeitos do excesso de trânsito causado pelo afluxo de pessoas para seu estabelecimento são ações que identificam uma instituição comprometida com o desenvolvimento sustentável.

9. Cases de sucesso

Muitas instituições já vêm cumprindo o seu papel e têm o seu estacionamento de bicicletas, diferenciando-se em suas áreas de atuação. Alguns exemplos:

  • Faculdade Mackenzie
  • Condomínio Rochaverá Corporate Towers, que conta até com vestiários
  • Loja "verde" do Supermercado Pão de Açúcar, na V. Clementino; Supermercado Extra Itaim
  • Unidades da rede de Estacionamentos Estapar na região da Av. Paulista
  • Diversos Shoppings Centers (Iguatemi, Market Place, Frei Caneca, Pátio Higienópolis, Eldorado, Jardim Sul)

Faça parte da história e integre esse grupo de vanguarda. A cidade agradece e os ciclistas ficarão contentes em receber o convite para a inauguração de mais um estacionamento de bicicletas na cidade, de mais uma instituição que reconhece e respeita seus direitos e os recebe com o mesmo cuidado com que trata quem utiliza o automóvel.


Contribuíram para esta página: wcruz e marcelo.mig .
Última modificação da página em Segunda-feira 23 de Maio, 2011 12:29:53 BRT por wcruz.